sexta-feira, 11 de novembro de 2011

O Cofre do Fim do Mundo...

   Em uma montanha gelada da Noruega, próximo ao Pólo Norte, foi construído um cofre, apelidado de o “Cofre do Fim o Mundo”, ou, a Arca de Noé do Fim do Mundo”.
   Inaugurado em 26 de fevereiro de 2008, este cofre guarda o tesouro genético do planeta. É um projeto ousado de preservação da vida vegetal. Pretende-se conservar mais de 4,5 milhões de espécies de todas as partes do mundo. Mantido em segurança máxima, está protegido de desastres naturais, até mesmo, de possíveis guerras nucleares.
   Quem coordena o projeto é a Global Crop Diversity Trust, organização criada pela FAO (órgão das Nações Unidas para agricultura), juntamente com a Noruega.
   A nova “Arca de Noé” se encontra em uma caverna no final de um túnel de 120 metros, escavado em rochas geladas a 70 metros de profundidade, mantida a 20ºC. A escolha do local, círculo polar Ártico, foi devido a seu clima e geologia ideal para o projeto. O local resiste a atividades vulcânicas, sísmicas e ao aumento do nível do mar. A área tem baixo nível de radiação, fundamental para a manutenção do DNA das plantas. Na temperatura que estarão conservadas, as sementes de trigo e cevada, por exemplo, podem sobreviver mais de 10 mil anos.
   Caso haja falta de luz na caverna, as sementes não serão danificadas, pois, o permafrost (solo permanentemente congelado) impede que a temperatura fique acima de -3,5ºC, garantindo por até 200 anos a sobrevivência das sementes.
   Para que as sementes sejam transferidas de um país para o outro, para o Banco Internacional de Sementes de Svalbard, será feito um acordo entre o governo norueguês (proprietário do banco) e o país doador, (dono do material genético). As únicas sementes proibidas são as transgênicas, proibição imposta pelo governo norueguês.
   A colaboração para o projeto conta com a participação do governo de diversos países como Estados Unidos, Canadá, Suíça, Inglaterra, Austrália, Brasil, entre outros.
   O Brasil já enviou algumas sementes e tem grande potencial de ajuda para o projeto, pois, a Embrapa possui o 7º maior banco genético do mundo.
   É um projeto ousado, mais fundamental para a sobrevivência da vida no planeta caso ocorra ma enorme catástrofe, ou mesmo, extinção de algumas das espécies guardadas.

Um comentário:

  1. Se deixar de fora a sementinha do tal de homem, acho que dá certo!

    ResponderExcluir